Manifesto Floresta Manaos

´


Manifesto Floresta Manaós

  Manauaras,

  Nós, comunitárias e comunitários, militantes de movimentos socioambientalistas, professoras/es e pesquisadoras/es abaixo assinadas/os, vimos a público, por meio deste, manifestar nosso apoio à candidatura da BANCADA COLETIVA (PSOL 50123) para ocupar uma cadeira na Câmara de Vereadores de Manaus.
  O apoio que ora manifestamos justifica-se pelo reconhecimento do compromisso histórico das integrantes da referida bancada nas lutas sociais em defesa de uma sociedade mais justa e igualitária, no combate a toda forma de opressão e exclusão das minorias e na construção de uma sociedade mais solidária e justa. Neste sentido, nossas trajetórias entrecruzam-se, na defesa de um modelo de desenvolvimento sustentável, que promova justiça social, reconhecendo e valorizando o caráter amazônico que precisa permear este processo.
  Manaus ocupa um espaço geográfico bastante significativo, sendo esta cidade, ao mesmo tempo urbana e florestal, que almeja oferecer qualidade de vida e gozar das desejáveis benesses metropolitanas, valorizando suas áreas verdes, protegendo sua biodiversidade, cuidando e recuperando seus igarapés, produzindo e ampliando o cultivo de hortas, pomares e quintais urbanos, construindo mais ciclovias, propiciando saúde, soberania alimentar e bem-viver, erradicando a poluição, a pobreza e a fome.
  Um processo desta natureza envolve, de modo central, a mudança de paradigmas sociais e econômicos e a valorização da educação ambiental, compreendida enquanto política pública municipal e comunitária, nas escolas, em articulação com as secretarias de urbanização, saúde, limpeza pública, transporte e meio ambiente. Neste sentido, é preciso contar, tanto com a experiência e o conhecimento científico produzido por docentes e pesquisadoras/es em instituições de ensino e pesquisa de Manaus, quanto com o acúmulo de conhecimentos produzidos nas práticas daqueles e daquelas que atuam em movimentos socioambientais nos diversos bairros de Manaus: cooperativas de catadoras/es, comunitárias/os e população em geral. Vereadores e prefeitos devem resgatar o Plano Nacional de Resíduos Sólidos que, embora criado em 2010, pouca atenção teve do Poder Público de Manaus.
É preciso também que os corredores ecológicos sejam mantidos e ampliados, que se promovam políticas públicas de arborização urbana eficientes e que se criem mais áreas verdes de uso público que incluam remanescentes de vegetação natural, assim como que se promova o uso mais frequente das áreas verdes já existentes na cidade para atividades de lazer, mas que precisam melhorar sua acessibilidade, sua infraestrutura para atrair manauaras a conhecer sua biodiversidade.
Construir uma Manaus mais saudável, mais verde, mais sustentável, requer o repensar deste modelo de desenvolvimento, que ameaça engolir as áreas verdes da cidade e de municípios vizinhos, com suas práticas poluentes, insalubres, exploratórias e destruidoras, que impermeabilizam o solo, promovem enchentes e alagações na cidade, destroem igarapés e florestas, sacrificam a vida de plantas e animais, relegam cães e gatos ao abandono, à doença e à morte, desassistidos nas ruas. É preciso repensar Manaus, sem as práticas de despejo das populações que moram às margens dos igarapés saneados, evitando apagar memórias e histórias de vida construídas nestes ambientes. Diversas iniciativas, mundo afora, mostram que é possível, para o município, criar formas mais saudáveis e sustentáveis de convivência com o meio ambiente, evitando o lançamento de efluentes e resíduos sólidos em lagos e igarapés e promovendo uma recuperação socioecologicamente embasada.

É nossa compreensão que é fundamental para a nossa cidade, tornada metrópole no meio da Floresta Amazônica, resgatar sua identificação com os povos dos quais somos originários; afinal, é possível e necessário urbanizar e envolver, trazendo o bem-viver para seus moradores, em harmonia com o rio, os igarapés e matas da cidade, reduzindo a fumaça, a violência no trânsito, o calor emanado do excesso de asfalto e cimento. Não é preciso deixar de ser Amazônia para que Manaus seja um centro urbano. Nossas crianças devem ter orgulho de ser manauaras, de ser amazônidas, não estar reféns do ar condicionado, das vitrines do consumismo, da alimentação industrializada. Vamos assegurar a elas, como herança, igarapés de água limpa para que se refresquem, a fauna exuberante que as encanta, a sombra e a beleza das árvores, nossos frutos, o açaí, a bacaba, a pupunha, o tucumã, o buriti, o cupuaçu e tantos outros alimentos de nossa floresta, riqueza nutricional e soberania alimentar a nossos curumins e cunhantãs!

Assinam o manifesto:

Ceane Andrade Simões - Professora da Escola Normal Superior/UEA, Integrante do Coletivo Escola Família Amazonas -
CEFA
Jeffeson William Pereira - Professor universitário (UFAM)
Bianca da Silva Doza - Comunitária, Estudante de Licenciatura em Geografia e coordenadora do Caxxyri
Juliana de Oliveira Pinheiro - Estudante de Licenciatura em Ciências
Biológicas/UFAM
Marcelo da Silveira Rodrigues - Sociólogo/professor/Seduc
Kyslla Lorena Melgueiro - Comunitária e Design
Gabriel Muca do Vale Pereira - Professor / SEDUC-Manaus
Cintia Cornelius - Professora do Departamento de Biologia/ UFAM
Integrante do Coletivo Escola Família Amazonas -
CEFA
Kariny Sanchez Vaz de Morais - Comunitária e Artesã
Renata Vilar de Almeida - Comunitária - Coletivo Caxxyri e LAPSEA/INPA
Lucas do Prado Pereira - Comunitário, Militante pela educação popular/ambiental (Caxxyri)
Juliana Schietti de Almeida - Professora do Departamento de Biologia/UFAM
Welton Yudi Oda - Comunitário, Professor do Departamento de Biologia/UFAM, Colaborador do Coletivo Caxxyri
Pedro Manuel Ribeiro Simões dos Santos - Biólogo/ICB/UFAM
Marcos Wilker da Silva Mendonça - Discente Licenciatura em Ciências Biológicas-UFAM
Alberto Vicentini - Pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia/INPA, Integrante do Coletivo Escola Família Amazonas - CEFA
Francinézio Amaral - Sociólogo
Elder Araújo Monteiro - Professor/IFAM
Elícia da Silva Rodrigues - Professora/SEMED-Manaus
Fernanda Fernandes - Finalista Licenciatura em História/UFAM, liderança do Movimento Estudantil do Amazonas
Odon Brasil Pereira - Professor de Biologia/SEDUC-Manaus
Ismael Farias - Ator e farmacêutico
Maria Gracimar Pacheco de Araújo - Professora do Depto. de Biologia/UFAM
Daniely Gomes - Comunitária
Maria Andréa de Oliveira Viana - Professora de Ciências/SEMED-Manaus
Nayara Ferreira Costa - Pedagoga e Professora/SEDUC/AM
Therezinha P. Fraxe - Professora Titular/ UFAM, Professora, pesquisadora e extensionista, Coordenadora da AGROUFAM, Trabalha com Povos Indígenas e Tradicionais, Militante da Sustentabilidade na Amazônia
Thiago Franco - Músico e educador
Gleice Antônia de Oliveira, Professora SEDUC/Manaus, Militante do movimento docente de Manaus
Priscilla Mendes Cordeiro - Professora Universitária e Enfermeira
Fabrício Baccaro - Professor do Departamento de Biologia/UFAM

Partido Socialismo e Liberdade - PSOL | CNPJ : 38.455.274/0001-48

Copyright © 2020 por Bancada Coletiva.